Resumo da história de StarCraftBlizzard Entertainment|7 de abril de 2020

Uma perguntinha: a história e a ambientação de StarCraft se encaixam no gênero ficção científica militar, space opera ou terror sci-fi? Se você respondeu “nos três!”, parabéns! Você está por dentro dos subgêneros da ficção científica. O universo de StarCraft é bem movimentado e nem sempre é fácil acompanhar tudo. Se você queria uma ajuda para se situar, ou um resumão para facilitar na hora de explicar a história de StarCraft para os amigos, este post é para você.

Parte 1: O passado longínquo

Eras atrás, os xel’naga chegaram à nossa galáxia e fomentaram a vida em inúmeros mundos por toda a Via Láctea. Seu objetivo era esperar duas espécies alcançarem o que os xel’naga denominavam “pureza da essência” e “pureza da forma”, para que eles pudessem ajudá-las a ascender a uma nova forma de vida que ocuparia seu próprio lugar, dando início a um novo ciclo.

Era o que os xel’naga chamavam de Ciclo Infinito. Infelizmente, o nome acabou não sendo o mais apropriado.

Amon, um dos xel’naga, decidiu interromper o ciclo e refazer o universo de acordo com seus próprios desígnios, interferindo diretamente em duas espécies, os protoss e os zergs, com o objetivo de imbuir a primeira com pureza da forma e a segunda, com pureza da essência. Quando os outros xel’naga se deram conta do que ele planejava, Amon lançou os zergs contra eles. Os zergs mataram a maioria dos xel’naga, mas Amon por fim foi derrotado e banido. Os xel’naga sobreviventes entraram em uma hibernação profunda, deixando os protoss e os zergs por conta própria. Por muito tempo, a vida na galáxia seguiu seu curso, até uma espécie audaz de macacos bípedes desprovidos de pelos decidir sondar o que havia em meio às estrelas.

Parte 2: StarCraft

No ano 2259, naves-colônias humanas chegam ao longínquo setor Koprulu. Os terranos estabelecem colônias, diversas facções políticas surgem e, como é comum entre os humanos, todos entram prontamente em guerra. Quando o mundo-colônia Korhal IV se rebela contra a Confederação Terrana, esta destrói o planeta com um bombardeio nuclear. Diante de tamanha atrocidade, sob a liderança de Arcturus Mengsk, um grupo de combatentes se insurge: os Filhos de Korhal.

Rebeldia com causa

Pouco tempo depois, com a investida zerg contra os mundos de Chau Sara e Mar Sara, os terranos têm o primeiro contato com os perigos à espreita no Setor Koprulu. Após o ataque zerg a Chau Sara, naves bélicas protoss esterilizam todo o planeta por meio de um ataque orbital, calcinando a infestação zerg e todas as formas de vida. Vislumbrando uma oportunidade de se vingar da Confederação, Mengsk atrai os zergs para Tarsonis, o mundo dos confederados, e, com a ajuda de Jim Raynor, um ex-delegado da Confederação, e Sarah Kerrigan, uma agente Fantasma psiônica, executa seu plano hediondo. E triunfa.

Supermente

A vitória, no entanto, custa caro. Ignorando os apelos de Jim Raynor, Arcturus Mengsk abandona Kerrigan, que é capturada pelos zergs na batalha final. Em Char, o planeta-colmeia dos zergs, a Supermente infesta Kerrigan e a transforma em Rainha das Lâminas. A Supermente acredita que, ao assimilar humanos psiônicos, ganha uma vantagem contra seu inimigo de tempos imemoriais, os protoss. O estratagema se prova eficaz quando os zergs descobrem a localização exata de Aiur, o planeta natal dos protoss. Ávida por assimilar os protoss e combinar a pureza da forma deles com a pureza da essência dos zergs, a Supermente lança uma invasão colossal. Após uma batalha brutal, Aiur sucumbe.

A queda

Com Aiur sob o jugo dos zergs, os protoss são forçados a se reconciliar, dando fim a uma cisão entre os seus que remonta a um milênio atrás. O protoss Zeratul descobre que as energias do vazio que ele e os Templários das Trevas, seus irmãos proscritos, dominam é capaz de exterminar os líderes das castas zergs. Forjando uma aliança improvável com Jim Raynor, o Executor protoss desonrado Tassadar, o Executor Artanis, Zeratul e os Templários das Trevas se unem para lutar e retomar Aiur. Durante o ataque derradeiro, Tassadar faz o sacrifício supremo e canaliza energias do vazio para a sua nave e a arremessa na Supermente, destruindo a mente coletiva zerg.

Parte 3: Brood War

A resistência

Com o fim da Supermente, os zergs se tornam irrefreáveis. Os protoss reconhecem que não podem reaver seu mundo natal e decidem recuar para Shakuras, lar dos Templários das Trevas. Infelizmente, Shakuras também foi infestado pelos zergs; a única esperança para a limpeza do planeta é a reativação de uma instalação xel’naga desativada. Zeratul e Artanis partem em busca dos dois cristais que alimentam a instalação com a ajuda da Rainha das Lâminas, agora livre do controle da Supermente. Mesmo depois de serem traídos por ela, os protoss conseguem reativar a instalação e prosseguir com a limpeza de Shakuras.

Punho de ferro

Na Terra, notícias sobre os zergs e protoss se espalham rapidamente, despertando o temor de uma invasão alienígena. A Congregação da Terra Unificada (CTU) designa uma frota expedicionária sob a liderança do Almirante Gerard DuGalle para retomar o controle das colônias rebeldes e neutralizar a ameaça externa. A frota captura a tecnologia disruptiva psiônica e um ataque a Korhal pega a Supremacia Terrana de Mengsk desprevenida. Com isso, DuGalle conduz um ataque bem-sucedido a Char, levando a CTU a subjugar uma Supermente nascente e escravizar o Enxame zerg.

A Rainha das Lâminas

Reconhecendo a ameaça da CTU, Kerrigan convence os aliados de outrora a lutar uma vez mais ao seu lado e une forças com Raynor e Mengsk. Por a conhecerem, eles temem que ela os trairá quando sua casta se restabelecer, o que de fato ocorre. Encorajada pela vitória, Kerrigan coage Zeratul a ajudá-la a matar a Supermente embrionária sob o controle da CTU. O Templário das Trevas dá cabo da Supermente e, com o disruptor psi destruído, todos os zergs passam a seguir Kerrigan. Uma frota conjunta da CTU, da Supremacia e de forças protoss investe contra ela, mas a Rainha das Lâminas triunfa.

Parte 4: Wings of Liberty

Após a Guerra das Castas, as coisas permanecem calmas por algum tempo. Mengsk reconstrói a Supremacia Terrana, os protoss se preparam para retomar Aiur e, estranhamente, os zergs não se espalharam por toda a galáxia. Atuando como mercenário, Raynor é rastreado por Zeratul. O protoss lhe revela que uma antiga profecia xel’naga prevê um destino terrível para toda a galáxia, e só Kerrigan pode impedi-lo. Com a ajuda de Valerian, filho de Mengsk, Raynor parte em busca dos artefatos xel’naga necessários para a criação da Pedra Angular, um dispositivo capaz de reverter a transformação de Kerrigan em zerg e livrá-la da corrupção. O plano funciona, mas a um preço terrível.

Parte 5: Heart of the Swarm

Valerian sequestra Kerrigan e a leva para uma instalação de pesquisa secreta com o objetivo de estudar os efeitos da Pedra Angular sobre ela. Quando forças da Supremacia atacam a instalação, Kerrigan foge. Jurando se vingar de Mengsk, ela inicia a reconstrução de sua casta e é rastreada por Zeratul, que conta a ela a profecia xel’naga ancestral que diz que Kerrigan ressurgirá na forma de zerg primeva. Com a ida de Kerrigan a Zerus, a Rainha das Lâminas Primeva renasce. Ela descobre que um agente de Amon estava por trás de tudo, manipulando todos para pôr em ação a fase final do plano de seu mestre. A fim de resolver suas pendências em Korhal, Kerrigan mata Arcturus Mengsk e parte com seu enxame zerg para se preparar para o inevitável confronto final com Amon.

Parte 6: Legacy of the Void

Enquanto Artanis se prepara para o ataque decisivo com o objetivo de retomar Aiur, Zeratul vai ao seu encontro para falar sobre uma antiga profecia xel’naga que anuncia o retorno de Amon. Amon de fato retorna e dobra os protoss de Aiur por meio do Khala, um vínculo psiônico compartilhado entre eles. Zeratul e o Templário das Trevas libertam alguns de seus irmãos, inclusive Artanis, mas Zeratul morre durante o conflito. Artanis parte em busca da Pedra Angular, o dispositivo que reverteu a transformação de Kerrigan em zerg, na esperança de que ele possa ser usado contra Amon. Artanis consegue reunir novamente alguns protoss rebeldes e forja uma aliança com Raynor, Valerian e Kerrigan. Um ataque final contra Aiur é deflagrado e, com a ajuda da Pedra Angular, Artanis liberta os protoss, banindo Amon para o vazio.

Kerrigan reúne seus aliados para dar cabo de Amon de uma vez por todas. A resistência final das forças de Amon se dá no templo xel’naga de Ulnar, mas, com a ajuda do último xel’naga sobrevivente, Kerrigan ascende. Agora uma xel’naga, ela usa seus novos poderes cósmicos para liderar as diferentes forças na destruição de Amon.